Skip to main content
SEGURANÇA ONLINE:

Investir nas Grandes Tendências de Mercado.

Tendências de Investimento

O novobanco com a finalidade de alcançar uma valorização consistente de longo prazo nos produtos que comercializa, privilegiando o investimento naquelas que são as grandes tendências de mercado. A entrega de valor aos nossos clientes é assegurada através dos vários tipos de produtos da oferta que podem ter como subjacentes os Objetivos de Desenvolvimento e Sustentabilidade, passando pelas diferentes temáticas como por exemplo as ambientais, sociais, saúde, tecnológicas, entre outras.

A inversão da pirâmide etária, o aumento da esperança de vida, e o desejo das pessoas se manterem mais saudáveis durante mais tempo são factos inegáveis do seculo XXI.

O ano de 2020 trouxe um novo facto a este rol. A pandemia criada pelo novo coronavírus implicou que a esfera dos cuidados de saúde se está adequar e, de certa forma, a reinventar.

Os produtos de saúde tornaram-se bens de primeira necessidade, considerando-se todo ciclo de cuidados de saúde uma prioridade para governantes, agentes económicos e consumidores. Com isto, a saúde da economia vai hoje mais além dos dados económicos e financeiros. A prioridade é a Saúde.

O setor da saúde é singular porque oferece aos investidores uma combinação de características defensivas e dinâmicas. Do ponto de vista defensivo, o setor beneficia de um fluxo constante de procura, uma vez que a população nunca deixará de procurar acesso a estes serviços e produtos. Isso é complementado por fortes tendências dinâmicas – como a que atualmente vivemos –, promovendo a inovação no setor a um ritmo crescente e apresentando aos potenciais investidores oportunidades atraentes de investimento. A inovação está a provocar uma transformação global, desde tecnologias de cirurgia robótica até medicina preventiva, através de novos recursos de diagnóstico que podem permitir, por exemplo, realizar um exame de sangue e diagnosticar alguns tipos de cancro com antecedência.

Considerado há décadas como fenómeno impulsionador da economia, ultimamente e com a situação pandémica, assistimos a uma aceleração tecnológica e de digitalização da economia só comparável ao impacto da Revolução Industrial do Seculo XIX.

A transição tecnológica deixou de ser apenas centrada nas empresas de social media, retalho, streaming de conteúdos com a emergências das FANG (Facebook, Amazon, Netflix e Google) e expandiu, passando a ser muito mais abrangente a tocar áreas muito distintas, não diretamente relacionadas, onde assistíamos a algum desenvolvimento, mas na realidade acabamos por viver uma verdadeira transformação.

A emergência da robótica na industria e na medicina, a utilização de Inteligência artificial, toda uma economia e industria que vingou com a diminuição da presença física, tornando as compras online uma realidade há muito esperada, os pagamentos contactless, seja na via digital como no uso de tecnologias que estavam disponíveis há vários anos mas sem grande utilização. A digitalização e a utilização de big data na educação e na medicina, permitindo melhorar o diagnostico, a efetividade dos tratamentos e a monitorização à distancia dos mesmos. O 5G, a Internet of Things, Smart cities, assim como modelos mais colaborativos de utilização de meios de transportes, de utilização de espaços profissionais, não esquecendo a transferência acelerada das empresas para a “nuvem”.

Uma revolução digital e tecnológica cuja expectativa é de que 65% do PIB a partir de 2022 será gerado pela via digital.