Skip to main content
SEGURANÇA ONLINE:

Como começar a investir?

O que são fundos?

Os Fundos de Investimento são instrumentos de poupança coletiva, constituídos por um somatório de parcelas de investimento individual de vários investidores, que aplicam o capital em diferentes mercados e ativos financeiros (como por exemplo: ações, obrigações, matérias-primas, imobiliário...).

São geridos por gestores profissionais, em quem os investidores delegam a decisão de alocação dos ativos.

Os Fundos de Investimento, divididos em partes de características idênticas designadas por unidades de participação.

O que é uma Unidade de Participação: É o valor mobiliário que representa o investimento de cada participante no Fundo. A sua soma corresponde ao valor que cada participante detém do património total do fundo. As unidades de participação são frações autónomas, de características idênticas, que, no seu conjunto, representam em qualquer momento o valor do património global de um Fundo de Investimento. São emitidas a um determinado valor, na mesma data em que o fundo é lançado, que permitirá quantificar a sua valorização no futuro.

Tipo de fundos

Obrigações

São classificados segundo as Entidades Emitentes: Fundos de Obrigações do Governo - Government Bond (investem em vários tipos de títulos de dívida pública, as chamadas obrigações soberanas) e os Fundos de Obrigações de Divida Corporativa - Corporate Bond (investem em títulos de dívida emitidos por empresas). Têm normalmente duas sub-classificações, segundo a qualidade creditícia da respetiva carteira: Fundos de Obrigações Investment Grade (investem em dívida emitida por entidades de elevada qualidade, com o objetivo de aumentar o capital da instituição, ou seja, com rating S&P superior a BBB, ou Baa na classificação Moody's) e Fundos de Obrigações High Yield (investem em emissões de dívida com baixos ratings de crédito, referidas muitas vezes como junk bonds, e têm rating S&P abaixo do BBB ou Baa pela Moody's). As obrigações High Yield oferecem normalmente taxas de juro mais elevadas que as obrigações Investment Grade já que a respetiva compra implica um risco adicional para o comprador da obrigação.

Existem também os Fundos de Dívida Emergente, cuja carteira está predominantemente investida em Obrigações de países denominados Emergentes (não Desenvolvidos). Estes fundos podem ter dívida Governamental e Corporativa, podendo ou não ter cobertura cambial dos ativos em carteira. Finalmente, existem Fundos de Obrigações Globais / Flexíveis (Unconstrained). Este tipo de Fundos, tal como o nome indica, na sua política de investimentos podem, dentro de parâmetros pré-definidos, investir no mercado de dívida global, oportunisticamente, não estando restringidos por tipos de emitentes, risco dos mesmos ou geografias.

Curto Prazo / Liquidez / Monetários

Predominância em aplicações de curto prazo e de elevada liquidez. São fundos de risco baixo e com uma rendibilidade que corresponde à das taxas de juro do mercado monetário, podendo ser considerados como uma alternativa ao investimento nos depósitos bancários, contudo não garantem o capital na data de reembolso.

Mistos (ou Multi-Ativos)

Combinam características dos fundos de obrigações e dos fundos de ações, investindo nas diferentes classes de ativos, pelo que o risco e a rendibilidade associados a estes fundos varia em função do maior ou menor peso que as ações e obrigações têm no património, bem como dos países em que investe: uns privilegiam claramente o investimento em ações, outros apostam mais nas obrigações, outros têm uma carteira bastante diversificada internacionalmente, apostando em vários países e regiões.

Ações

Estes fundos apresentam maior risco, pelo facto de o valor das unidades de participação ser muito sensível ao risco de variação de preço das ações em que investem, mas, poderão, deter um rendimento potencial, a longo prazo, superior aos produtos de baixo risco (as oscilações no valor dos fundos diluem-se no longo prazo).

Existem, também, os Fundos Flexíveis, que investem em obrigações e ações e tendem a não definir barreiras para o peso dos vários tipos de aplicações na carteira; os Fundos de Fundos, que têm uma carteira composta por UP´s