NOVO BANCO Revelação

ANDREIA SANTANA É A GRANDE VENCEDORA DO PRÉMIO NOVO BANCO REVELAÇÃO 2016

Andreia Santana (Lisboa, 1991) é a grande vencedora do Prémio NOVO BANCO REVELAÇÃO 2016.

A partir de 24 de novembro de 2016 a jovem artista expõe o seu projeto “História da Falta” no Museu de Serralves. Esta exposição estará em exibição até 12 de fevereiro de 2017.

O júri do Prémio NOVO BANCO REVELAÇÃO 2016, presidido por João Ribas (Diretor Adjunto e Curador Sénior do Museu de Serralves) e constituído por Alice Motard (Curadora Chefe do CAPC – Museu de Arte Contemporânea de Bordéus); Émilie Villez (Diretora da Fundação Kadist, Paris); Luca Lo Pinto (curador da Kunsthalle Wien, Viena); Ricardo Nicolau (adjunto da direção do Museu de Serralves) e Filipa Loureiro (curadora do Museu de Serralves), destacou o importante papel que a organização de uma exposição no Museu de Serralves pode desempenhar no percurso artístico de Andreia Santana. O diálogo com os curadores do Museu e o acesso a condições profissionais de produção e de comunicação deverão trazer à sua prática novas preocupações e posições estéticas.

O projeto que Andreia Santana apresentou ao júri testemunha o atual interesse dos artistas por técnicas e meios em vias de extinção. A partir de imagens recolhidas em fábricas portuguesas que se dedicam ao fabrico de instrumentos empregues pela arqueologia, Andreia Santana estabelece uma relação entre modos de produção considerados anacrónicos e uma ciência social (a arqueologia) que irá inevitavelmente dedicar-se à análise desses modos de produção num futuro próximo.

O trabalho de Andreia Santana foi escolhido entre quatro finalistas, selecionados pelo júri do prémio no passado mês de junho. Além da vencedora foram finalistas do Prémio os artistas Rogério Costa Ribeiro, Pedro Huet e Henrique Pavão. Os quatro finalistas utilizam o suporte fotográfico para o interrogar nos seus sentidos e possibilidades na arte contemporânea.

A acompanhar o Prémio foi recentemente publicado um catálogo que apresenta o trabalho dos quatro finalistas e que, para além de imagens que documentam os projetos, inclui entrevistas aos artistas conduzidas por Ricardo Nicolau, adjunto da direção do Museu de Serralves e membro do júri do Prémio NOVO BANCO REVELAÇÃO 2016.