Finais das XXIX Olimpíadas Portuguesas de Matemática
 

A intrigante teoria de probabilidades “fez mais uma das suas” nas XXIX Olimpíadas Portuguesas de Matemática (OPM). Numa competição com mais de 42 mil participantes, duas eliminatórias e 90 finalistas, qual a probabilidade de dois vizinhos chegarem à final e ainda conquistarem ambos medalhas de Ouro? Bruno Carvalho (7º ano) e Francisco Andrade (8º ano), moradores na mesma rua em Matosinhos, são os protagonistas desta proeza. Mas neste caso, os bons resultados não podem ser atribuídos à sorte, o mérito dos dois jovens é a única explicação para este facto.

Bruno Carvalho fez ainda parte do primeiro grupo de alunos que integraram uma nova categoria das OPM. Nesta edição, pela primeira vez, participaram alunos dos 6º e 7º anos, na recém-criada categoria Júnior, que se juntou às já existentes categorias A (8º e 9 ano) e B (10º ao 12º ano). O alargamento das Olimpíadas a outros níveis de ensino permitirá no futuro aumentar a competitividade da equipa portuguesa nas provas internacionais.

A entrega das medalhas e dos prémios decorreu em Braga, e contou com a presença de Alexandra Marques, diretora geral da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, em representação do Ministério da Educação, João Vieira da Fundação Calouste Gulbenkian, Maria Rui do Ciência Viva, Hortense Lopes dos Santos, diretora da escola anfitriã Secundária de Carlos Amarante, Eduardo Gonçalves do Banco Espírito Santo e António Murta da Pathena. A sessão contou ainda com a palestra “A importância da Matemática na Critical Software”, por Gonçalo Quadros.

De entre os participantes das XXIX Olimpíadas Portuguesas de Matemática são escolhidos os representantes de Portugal nas Olimpíadas Internacionais de Matemática (Holanda), nas Olimpíadas Ibero-americanas de Matemática (Costa Rica) e ainda nas Olimpíadas de Matemática da Lusofonia (Portugal), estas últimas com estreia marcada para o final do mês de julho.